Responsabilidade Social


Projeto Cidade Cidadã Responsabilidade Social e Cidadania Empresarial

Um olhar para a casa! Um olhar para a cidade!

1. Introdução

No início do mês de novembro de 2005, em Ceilândia, na sede da Associação Comercial e Industrial de Ceilândia, representantes dos diversos movimentos da sociedade civil de Ceilândia, movimentos sociais, empresários, lideranças políticas, se reuniram, em pauta a cidade, seus problemas e a releitura de sua história, o nascer de um novo tempo, um novo caminho, onde os valores sócio-econômico e políticos do povo sejam a chave do desenvolvimento da sua auto estima.

Partindo dessas premissas, assumiram o compromisso de criar as bases que sustentarão este projeto, quais sejam: desenvolvimento social, econômico e político das estruturas orgânicas da cidade, tendo como objetivo a retirada do cidadão e da cidadã da nossa cidade da condição de espectador da sua historia para a condição de ator principal desse novo caminhar.

De posse dessa vontade transformadora entenderam que além de identificar os problemas que afligem o povo ceilandense, decidiram que era preciso sair da etapa do discurso, para uma etapa construtiva, ou seja, busca de respostas concreta para os desafios da construção de "uma nova cidade" onde a ação coordenada dos seus cidadãos e cidadãs se transformem em efetivamente em bem estar social, econômico e político de nossa gente.

Entusiasmados com essa diretiva, em janeiro de 2005, deram inicio a estruturação de uma ação coordenada aberta aos homens, as mulheres e aos jovens que estivessem dispostos a reescreverem a história da cidade, de sua vida, do seu vizinho, da coletividade, tendo como sustentáculo os pilares do desenvolvimento social, econômico e político de Ceilândia.

2. Missão

Aprofundar a discussão dos problemas que afligem os cidadãos e as cidadãs ceilandense, identificar e propor novas alternativas para o desenvolvimento social, econômico e político da cidade.

3. Objetivos

1. Iniciar um processo de reflexão conjunta, em torno dos seguintes eixos: desenvolvimento social, econômico e político.

2. Ser um caminho inteiramente novo na busca de tempo onde a solidariedade e o respeito as diferenças sejam os valores máximos.

3. Ser um espaço plural, diversificado, não confessional, político, aberto ao debate democrático de idéias, a formulação de propostas, a troca livre de experiências e a articulação de ações eficazes, que permitam a construção de uma sociedade livre, que respeite os direitos humanos universais, bem como, de todos os cidadãos e cidadãs, apoiado na justiça social.